Gap de Quebra Ações Opções Análise Técnica Investimentos Bovespa: InvestMax : análise técnica, como investir na bolsa de valores (Bovespa)

Gap de Quebra

Fonte: Stockcharts

Gap de Quebra

São os mais interessantes. O preço sai de seu intervalo normal ou de sua área de congestão. Uma área de congestão é um intervalo no qual o ativo tem sido negociado nos últimos dias, semanas ou meses. O limite superior costuma funcionar como resistência, e o inferior, como suporte. O rompimento desses limites requer muito entusiasmo por parte dos investidores. Os volumes têm de aumentar significativamente, inclusive porque o próprio rompimento do limite gera mais negócios. Os vendidos têm de cobrir posição e os comprados são obrigados a sair vendendo. Mas o melhor cenário é aquele em que os volumes só aumentam após o rompimento. Assim, há mais chance de continuação da tendência com força. Se for para baixo, o nível de quebra, que antes era suporte, agora vai ser resistência. Na quebra para cima, a antiga resistência vira suporte.

Não caia na armadilha de achar que um gap desses, com volume, será fechado prontamente. O fechamento pode demorar muito para acontecer. Admita que uma nova tendência se estabeleceu, e adapte-se logo ao novo cenário. No próximo exemplo, vemos que os preços respeitaram o suporte de 41 dólares por 2 meses. Quando ocorreu a quebra, para baixo, foi com grande volume.

Tipos de Gap: Gap de Quebra

Uma boa forma de checar a robustez de um gap é ver se ele está associado a algum padrão gráfico conhecido. Se um triângulo ascendente romper para cima teremos uma oportunidade de negócio bem melhor do que se o furo na congestão ocorrer isoladamente, desassociado de qualquer padrão. O gráfico abaixo mostra o desenvolvimento de um típico triângulo otimista (topo reto, linha de base com tendência ascendente). O rompimento ocorreu para cima, da maneira clássica.

Tipos de Gap: Gap de Quebra

Seu nome:
Seu E-mail:
Nome do seu amigo:
E-mail do seu amigo:
Sua mensagem (opcional):
Nome: Seu Email: (não será Publicado)
Site: (opcional)
Nofiticar por e-mail novos comentários neste tópico.

 
Publicidade

Aproveito a oportunidade para lançar uma breve discussão sobre os swaps, uma modalidade de aplicação financeira pouco utilizada no Brasil mas que nos afeta diretamente.  Swap significa troca, nesse caso, de  dois ativos com retornos e riscos diferentes. Atualmente esta havendo uma grande reversão dos swaps de moedas que, de forma célere, revela-se bastante nefasta para muitas economias...

Existe uma condição atávica, relacionada com a evolução, que se manifesta naquelas decisões que são perigosas, independente de serem boas ou más. Segundo os neurobiólogos, o processo da evolução humana deu prioridade ao desenvolvimento do lado emocional porque, diante do perigo...

Quem opera o mercado financeiro e usa gráficos para analisar ativos, sabe como é frustrante determinar a direção dos preços. A confusão emana do desejo de examinar os gráficos em diferentes períodos. Sabemos que um gráfico visto com velas de um determinado tempo, pode indicar uma direção diferente daquela com velas de outro período...

Considero o alinhamento automático a forma mais segura para entender o movimento dos preços das ações. No último artigo desta série prometi que usaria alguns gráficos para ilustrar essa metodologia. Alinhando os movimentos com os gráficos, podemos eliminar as contradições que muitas vezes ocorrem entre os movimentos de preços de períodos diferentes e enganam o operador.

Publico este de modo que possa ser útil a quem quiser saber mais sobre o tema. O assunto é complexo, mas vou tentar colocar de forma breve, mas extensiva a todos interessados.