Controlando os Riscos – Diversificação e Alternativas no Mercado de Ações : análise técnica, como investir na bolsa de valores (Bovespa)

Controlando os Riscos – Diversificação e Alternativas no Mercado de Ações

Professor Metafix

Controlando os Riscos - Diversificação e Alternativas no Mercado de Ações

Luis Fernando Verissimo fez uma belíssima afirmação de quê – o otimista é um mal informado. Podíamos contestar e dizer que o pessimista é muito pior. A diferença entre os dois é a de que o pessimista sabe que não tem as informações relevantes, e o otimista acha que tem todas. O confronto é sério porque revela o conflito mental quando operamos o mercado de ações. Na realidade, sabemos que nem os otimistas nem os pessimistas têm informações suficientes pra tomar decisões isenta de riscos. Mas existem muitas alternativas que podem diminuir os riscos sem comprometer os lucros.

O mercado é tão vasto, variado e imprevisível que podemos desenvolver muitas formas de se ganhar dinheiro, desde que se coloque alguma proteção contra os riscos. Aqui nos Estados Unidos tem uma escola de operadores, chamada contrarians. Estes só operam contra os boatos e expectativas dos outros. Podemos encontrar de tudo. Por exemplo, um dos maiores operadores de opção e autor de excelentes trabalhos sobre o assunto, Salim Taleb, opera opções com pouca probabilidade de serem exercidas. Ele considera tudo uma questão de sorte ou de azar no sentido probabilístico. Reconhece que essa estratégia produz lucros pequenos, mas quando a opção entra no dinheiro o retorno é enorme. Assim, prefere ganhar muito de uma vez do que ganhar pouco de muitas vezes. Ele mesmo afirma que gosta dos eventos raros porque eles são de grandes impactos.

Não tenho a coragem nem a fortitude acadêmica para seguir o exemplo de Taleb, mas não posso fugir das "Procuro sempre aquelas jogadas com a maior probabilidade de ocorrer independente do tamanho do resultado" probabilidades, apenas procuro entendê-las e seguir as maiores. Procuro sempre aquelas jogadas com a maior probabilidade de ocorrer independente do tamanho do resultado, desde que não seja prejuízo. Sei que pode chover com apenas 10 por cento de probabilidade, e pode não cair um pingo d´água com 70 por cento de chance de cair. Mas ai pergunto, seria melhor sair com guarda-chuva quando a probabilidade de chuva é de apenas 10 por cento, e não sair quando ela aumenta pra 70 por cento?

Victor Niederhoffer, um bem sucedido gerente de um grande fundo de investimentos publicou uma grande obra sobre a experiência dele, intitulada – The Education of a Speculator. Nick fez grande sucesso tanto na vida acadêmica como nos negócios, mas foi dispensado por uma grande universidade e vencido pelo mercado. Descobriu que não é fácil ser iconoclasta num ambiente de conluios e de fé estremada. O fundo de investimento que dirigiu com grande sucesso, faliu! Restou dele muitas lições interessantes e uma teoria sensata sobre o comportamento das ações, chamada – La Bangola.

Niederhoffer se baseia num relato sobre o comportamento de uma vila na costa ocidental da Africa, chamada Bangola. Os residentes da vila faziam grande sucesso pegando os elefantes porque eles sabiam que os paquidermes voltavam pelo mesmo caminho. Os elefantes passavam em fila bem comportados procurando pasto ou água. Entretanto, se fossem atacados, revidavam destruindo tudo. Os nativos, sabendo que eles voltavam pelo mesmo caminho, preparavam armadilhas para pega-los sem gerar distúrbios. A outra parte da teoria tem a ver com o papel da liderança extraída do comportamento dos macacos. Quando os nativos queriam pegar os macacos tinham que primeiro eliminar o líder. Se assim não fizesse, os macacos atacavam com uma fúria incontrolável.

Tanto a percepção do Veríssimo como a dos especuladores mencionados podem ser traduzidas em grandes lições para quem opera no mercado de ação. O realismo do Veríssimo é cômico e chocante, mas vai ao encontro de uma máxima que gosto de citar. – No mercado de ações temos todos os direitos, menos o de ser besta! – Isto é, tenho insistido para não se acreditar em nada. Seja realista porque tudo pode acontecer, especialmente quando menos se espera. Nessa expectativa, o Taleb e Victor ganharam muito dinheiro, mas foi com ela que o Victor faliu porque não tinha um plano alternativo e confiou no mercado.

George Soros, Victor Niederhoffer e Salim Taleb são amigos e tem algumas coisas em comum, entre elas, a de serem seguidores do filósofo Karl Popper. Eles não acreditam em nada, mas todos, apesar dos erros, têm técnicas e metodologias próprias para operar. Eles também não têm palavras porque, reconhecendo que não dispõem de todos os dados, à medida que surgem novas revelações, mudam de opinião.

Na semana passada escrevi uma nota ressaltando algumas formas simples para diminuir os riscos. Entre elas, está a "além disso, usar cenários alternativos como um bom advogado que se prepara para argumentos inesperados" de ponderar os investimentos diminuindo as aplicações à medida que o risco aumenta. Pena que o Niederhoffer não acreditou nela e se meteu com aplicações alavancadas. Ressaltei também que devemos usar os gráficos sem a certeza implícita na análise técnica e, além disso, usar cenários alternativos como um bom advogado que se prepara para argumentos inesperados.

Sejamos simples. Até agora não entendi como operar utilizando certas formações gráficas quando na realidade só precisamos saber qual é a probabilidade mais forte dos preços subirem ou de caírem. Confesso com orgulho; venho lá do sertão, onde não se complicam as coisas simples e nem simplificam as coisas complexas. Se forem simples, "na realidade só precisamos saber qual é a probabilidade mais forte dos preços subirem ou de caírem" mostramos por quê, se forem complexas, dizemos – não sei. Pena que muitos grafistas não aprenderam essa também! Realmente não sei dar palpites e mudo de opinião, como os autores mencionados. Sou discípulo de Karl Popper também.

O sertão é o mundo, como dizia Guimarães Rosa. E o mundo é tão complexo que trabalhamos sempre com informações parciais ou incompletas. Assim, precisamos renovar os testes teóricos com hipóteses alternativas. Tenho um amigo muito inteligente que diz brincando – é bom lavar bem os pratos pra eliminar as bactérias, mas se "Eis o problema, precisamos nos precaver, pois mesmo quando fazemos tudo certo, o resultado pode dá errado" prepare porque as piores podem ficar! Eis o problema, precisamos nos precaver, pois mesmo quando fazemos tudo certo, o resultado pode dá errado.

Victor Niederhoffer faliu porque apostou alavancando tudo num movimento que não vingou. Ele cometeu dois erros, acreditou no mercado e não se preparou com uma alternativa viável. Os próprios “amigos” e corretores dele pediram para ele cobrir a margem ou fechar a conta, mas ele não tinha recursos e ninguém o ajudou. Victor deixou uma grande lição que ele mesmo não aprendeu. Os maiores inimigos do operador são a certeza e a presunção do saber. Ele culpou até os amigos, mas não se deu conta do erro, o risco exagerado que assumiu sem ter um plano alternativo.

Por isso continuo insistindo, só existem duas regras para se operar com sucesso: primeiro, preparar pra não perder dinheiro, segundo – quando em dúvida, verifique a primeira regra. Operar é como viajar, temos que nos precaver contra os riscos antes e durante a viagem. Planeje, e não empregue todos os recursos num único ativo. "Planeje, e não empregue todos os recursos num único ativo" Espalhe o dinheiro conforme o nível de risco, investindo mais naquelas aplicações mais estáveis e menos em ativos voláteis ou alavancados. Além disso, tenha uma técnica própria e trabalhe sempre com um plano alternativo e com muita humildade, pois é melhor recuar numa batalha do que perder a guerra.

Professor Metafix

Seu nome:
Seu E-mail:
Nome do seu amigo:
E-mail do seu amigo:
Sua mensagem (opcional):
Nome: Seu Email: (não será Publicado)
Site: (opcional)
Nofiticar por e-mail novos comentários neste tópico.

flaviomjr2005 comentou:

eduação e atualização financeira é algo que deve ser objetivo de todos que atuam no mercado de capitais... parabéns pelo artigo, prof.


Diego Nunes comentou:

Seu site é maravilhoso, estou começando a estudar sobre análise gráfica e especulação e a cada artigo que leio fico mais maravilhado com o conteúdo.

Se não for pedir demais e tiveres algumas outras fontes de informação a respeito dos assuntos e puderes me enviar ficarei muito agradecido.

Um grande abraço e continue com o ótimo trabalho.


Danilo comentou:

Olá Diego, grato por seu comentários,
Aqui mesmo no site vc encontra um ótimo conteúdo de referência sobre Análise Técnica. Todavia se precisar de mais, este site tb é uma boa referência no assunto.


 
Publicidade

O comércio de moedas é um dos mais antigos do mundo e na atualidade o mais ativo e volumoso. Na época do império romano já existiam cambistas trocando moedas. Era comum encontrar esses delaers nas feiras ou onde houvesse aglomerações de pessoas, especialmente...

Jesse Livermore talvez seja o especulador mais conhecido do mercado americano. Muitos especuladores já incorporaram as lições dele porque elas são lógicas e fazem sentido. Com muita paciência ele só entrava na hora certa como uma serpente que sabe dar o bote, mas não sai correndo atrás da presa.

Respondendo a dúvida de um usuário apresentamos aqui algumas dicas para realizar boas operações para Venda Coberta.

Muitas pessoas investem em renda variável utilizando-se desse tipo de operação. Entretanto nem todos sabem exatamente a melhor forma de se calcular as taxas reais apresentadas na montagem. Alguns calculam errado e nem sabem... Veja a maneira correta e a melhor forma de escolher a opção para lançamento coberto.

Publico este de modo que possa ser útil a quem quiser saber mais sobre o tema. O assunto é complexo, mas vou tentar colocar de forma breve, mas extensiva a todos interessados.