O impacto do câmbio na inflação 23.9 : análise técnica, como investir na bolsa de valores (Bovespa)

 
Publicidade

O mercado financeiro é cheio de contradições. Os conflitos são constantes porque encerram nossos desejos instáveis de atuar como compradores e como vendedores. Enquanto nos outros mercados, os compradores aguardam os preços caírem pra comprar mais barato...

Estudo que visa indicar onde estão concentrados os grandes investidores ajudando na direção de posições. Veja a força dos Comprados e Vendidos nas Opções da PETR4

Há uma grande discussão nas universidades que já perdura por algum tempo sobre a racionalidade e a eficiência dos mercados. Os temas são complexos e importantes para quem deseja investir e quer saber se o preço de uma determinada ação está alto ou está baixo...

Aposentadoria do INSS: Neste texto você descobre, de fato, quanto perde com o INSS e quanto poderia ganhar administrando a sua aposentadoria você mesmo de forma bem simples.

Nesta nota vamos analisar como num dia de operação o investidor pode aumentar os ganhos num montante que daria inveja a qualquer robot dos “High frequence traders” – jogadores de alta frequência.

Faça simulações, projeções, acompanhe e gerencie operações com opções. Com essa ferramenta você tem total controle sobre suas posições de forma descomplicada e eficiente.

Os governantes das principais economias, por razões políticas, ainda teimam e sonham com um fim benigno da crise que já perdura por mais de 4 anos. Enquanto isso, a maioria dos investidores continua frustrada com a indefinição do mercado de ações. Os que tiveram sucesso com esse tipo de investimento...

O conteúdo exposto aqui, sejam integrantes do Investmax ou não, são apenas opiniões e não são sugestões e indicações de operações. Cabe a cada um fazer sua análise e tomar suas próprias decisões.


Autor Mensagem
MarcosFaria

Usuário Preminum

13 posts
23/09/2011 16:14:30

O Banco Central quer ver onde os mercados de câmbio irão se estabilizar nos próximos dias para avaliar melhor o impacto do real fraco na inflação, disse o presidente Alexandre Tombini nesta sexta-feira (23).
Ele acrescentou que o impacto das variações cambiais na inflação tem declinado ao longo do tempo no Brasil.
Ontem, após o governo adotar medidas ao longo do ano para tentar reverter a trajetória de queda do dólar, o BC agiu para conter a valorização da moeda.


Segundo especialistas, o BC agiu porque uma elevação forte e abrupta da taxa de câmbio traz riscos paras as empresas, que carregam dívidas em dólar. A volatilidade acentuada da divisa também dificulta o planejamento das companhias, dizem.
Além disso, destacam, o BC busca limitar o impacto da alta do dólar na inflação.
"O BC deixou claro hoje que está preocupado com a desvalorização muito rápida do real", disse Carlos Langoni, ex-presidente do BC.


Pela primeira vez desde de 2009, o BC fez uma operação equivalente a vender a dólares no mercado futuro, o que reduziu a forte alta no mercado à vista. A moeda americana chegou a ser negociada a R$ 1,963, mas fechou cotada a R$ 1,895, ainda sim com alta de 1,6%. No mês, a valorização chega a 19%.
A forte alta da taxa de câmbio tem impacto imediato sobre as dívidas das empresas em dólar, observa Langoni. Segundo ele, isso pode afetar negativamente a atividade econômica ao obrigá-las a rever seus planos de investimento, para manter o pagamento dos empréstimos.


Segundo dados do BC, a dívida externa das empresas brasileiras soma US$ 94,9 bilhões.
Embora a alta do dólar eleve a competitividade do produto nacional, variações muito fortes da moeda não beneficiam as empresas, afirma o consultor do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial) Júlio Gomes de Almeida. Por isso, o BC atua para evitar os excessos, diz.
"Ninguém vai decidir exportar mais ou trocar de fornecedor se o dólar não se estabilizar em um novo patamar", disse.


Para o sócio da consultoria Tendências Nathan, a intervenção do BC para limitar a alta do dólar visa conter os impactos na inflação. Os preços em reais de produtos como soja, milho e café já estão mais altos do que no início de agosto.
Se o dólar ficar em R$ 1,70, em média, até dezembro, ele projeta que a inflação fecha o ano em 7,2%, bem acima do teto da meta do BC, de 6,5%.


Sidnei Moura Nehme, diretor executivo da corretora NGO, acredita que a tendência da moeda é voltar para algo entre R$ 1,65 e R$ 1,70.
Segundo ele, o que provocou a forte alta do dólar foi a queda de liquidez no mercado futuro, após o governo anunciar a taxação de operações com derivativos cambiais que apostam na queda da moeda americana.


Grandes fundos de investimento que estavam apostando nesse cenário começaram a perder dinheiro quando a moeda americana passou a se valorizar, explica.
No entanto, observa Nehme, quando eles tentaram desmontar as operações, encontraram poucos investidores dispostos a vender dólar no mercado futuro, exatamente devido ao novo imposto anunciado pelo governo.


Esses investidores, então, cobraram caro para vender a moeda, o que puxou a cotação do dólar para cima.
"Por isso, o BC ofertou dólares no mercado futuro", afirma. "Quando esses fundos conseguirem desmontar suas operações, a pressão sobre o dólar vai diminuir", estima Nehme.
 


Respostas [ escrever resposta ]
 [nenhuma resposta]