Algumas regras para escolher uma boa ação Análise Técnica Investimentos: análise técnica, como investir na bolsa de valores (Bovespa)

Algumas regras para escolher uma boa ação

Professor Metafix

O Gosto e o Bolso
Algumas regras para escolher uma boa ação.

Na última nota que escrevi para este “site” (Regras simples para decidir o valor de uma ação) apontei alguns problemas relacionados com o conflito que enfrentamos no processo de escolher uma ação. O problema é simples com uma resposta complexa. Relutamos na hora de escolher uma ação porque existe um conflito mental e natural entre o útil (necessidade) e o agradável (o prazer). Como diz o ditado – tudo que é bom engorda e faz mal a saúde. Sabe-se que o enjoou das mulheres grávidas é uma defesa natural do organismo para proteger o feto contra as toxinas de certos alimentos. O contraste entre as parturientes e os investidores é marcante. Estes não devem investir somente aquilo que gostam porque faz mal ao bolso, e aquelas devem comer o que gostam porque faz bem a saúde!

"Sabemos que devemos comprar na baixa e vender na alta, mas quando a maioria está vendendo na baixa, fazemos o mesmo para evitar prejuízo e, perdemos. Por outro lado, quando a maioria está comprando na alta fazemos o mesmo e, perdemos com a desculpa de que precisávamos aproveitar a oportunidade" A dicotomia entre o prazer e a necessidade financeira produz as toxinas que transformam o mercado num ambiente enganoso e cruel. A propensão da maioria é de trabalhar mais com a emoção do que com a razão e sofre as consequências do relaxamento. Temos dificuldades para fugir do conflito entre o necessário e o agradável. Somos vítimas de nossa formação biológica. E, por isso, somos nervosos, apressados e, às vezes, agimos de forma irracional e precipitada. Não tomamos os devidos cuidados na nossas decisões financeiras e arrastamo-nos pela avenida dos prazeres pregando uma racionalidade infundada. Sabemos que devemos comprar na baixa e vender na alta, mas quando a maioria está vendendo na baixa, fazemos o mesmo para evitar prejuízo e, perdemos. Por outro lado, quando a maioria está comprando na alta fazemos o mesmo e, perdemos com a desculpa de que precisávamos aproveitar a oportunidade. O cerne da solução é conciliar os desejos emocionais de tal modo que não contrariem a racionalidade financeira.

Parece que os bons investidores intuitivamente reconhecem o problema e tornam-se pessoas solitárias que agem independentemente da multidão. Eles não entram na “onda” porque sabem que todas bolhas econômicas foram provocadas por paixão, ganância e astúcia de uma minoria infiltrada para provocar o estouro da boiada crédula na miragem da fortuna fácil. Tudo isso já foi documentado mas pouco lido e apreciado porque não convém à nossa necessidade emocional. E assim caímos naquela velha historia do sujeito que diz – não me confunda com os fatos porque já tomei minha decisão!

Infelizmente, ainda não temos totalmente a salvaguarda da força mental pra nos proteger da lassidão indolente que provoca erros grosseiros em nossas decisões financeiras. A mente pode nos proteger da impaciência e da arbitrariedade de nossas emoções. Todavia, temos que ter cuidado e ser livres para pensar e agir, pois quando a mente não consegue nos libertar da força da paixão, transforma-nos em covardes que se curvam à tirania das multidões.

"A melhor forma para se proteger das emoções é se agarrar e seguir, à risca, uma metodologia lógica e consistente" A tarefa não é fácil, como aludi acima, mas apesar da formação natural que gera emoções que contrariam a força de vontade ainda existe bastante espaço para avançarmos de forma prazerosa sem afrontar a racionalidade. A melhor forma para se proteger das emoções é se agarrar e seguir, à risca, uma metodologia lógica e consistente.

Na ultima nota, apresentei uma ideia simples de como escolher uma boa ação. Agora, aproveito para adicionar uma forma ou uma técnica mais complexa, porém mais factível e menos falível entre todas que conheço. Infelizmente, ela exige paciência, cuidados e alguns conhecimentos de análise gráfica, mas ajuda eliminar o conflito mental que domina as decisões. A ideia é conciliar o desejo de ter algo agradável mas que produza resultados financeiros positivos. Não podemos negar o poder de nossas emoções, mas precisamos reconhecê-lo para nos proteger de seus efeitos negativos. Vejamos alguns pontos.

Primeiro – deve-se trabalhar com ações de qualidade. Caso, o leitor não tenha tempo ou prazer para escolher e analisar uma determinada ação, fique com aquelas mais conhecidas e prestigiadas pelo mercado. Em geral, elas são boas e tem um volume grande de negócio que facilita a venda na hora da necessidade. Neste caso, sugiro que o leitor verifique a lista de ações brasileiras negociadas no mercado americano. Este site, entre outros: stockrake, trás uma lista completa.

Segundo – é melhor comprar ações que já caíram de preço, mas estão numa tendência de alta.

Terceiro – compare o preço histórico da ação com a média de preço das ações do ramo, como expliquei na última nota. Para isso, deve-se usar um índice de preço do setor. Na ausência deste, devemos nos valer da média do mercado. O índice Bovespa serve. Ações que subiram muito acima da média são candidatas a queda, e as que caíram abaixo da média, eventualmente vão se alinhar com o mercado – lei natural de regressão.

Quarto – compre somente no recuo dos preços. Olhando para qualquer tendência de alta, podemos ver que os preços recuam de vez em quando. Estes recuos são os melhores pontos de compra. Existem uma variedade de técnicas gráficas que ajudam aproveitar esses pontos e aumentar o rendimento do investimento.

Quinto – não compre ação sem tendência definida ou em tendência de baixa na esperança de que ela pode subir. Paciência! – É melhor esperar sem perder do que se apressar e levar prejuízo!

Boas pesquisas e bons lucros!
Professor Metafix

Seu nome:
Seu E-mail:
Nome do seu amigo:
E-mail do seu amigo:
Sua mensagem (opcional):
Nome: Seu Email: (não será Publicado)
Site: (opcional)
Nofiticar por e-mail novos comentários neste tópico.

Danilo comentou:

Muito Bom!
É possível que para muitos isso não seja novidade e que já tenha ouvido alguém dizer alguma, os todas essas dicas, mas a verdade é que mesmo sabendo, pouco têm a atitude de colocar em prática.
As dicas são simples, porém ótimas, mas o melhor mesmo é se isso passar a ser uma rotina, um check-list mental, para cada vezes que alguém for realizar uma operação.


Jorge M. M. Mesquita comentou:

Os meus parabéns, artigo muito bem concebido.


josé américo comentou:

Ótimo, sou novato no mercado, depois de minha irracionalidade em 2008, onde comprei na euforia e vendi no pânico, perdendo parte de meu capital, hoje até penso como o professor, mas não tenho sempre esta atitude, ainda deixo me levar pela euforia, preciso mudar, ter paciencia, aprender mais, inclusive análise técnica.
Nas suas lições acima, desculpe, sou leigo no assunto, mas não deveríamos tambem considerar o IBOV ? Estas ações sempre acompanham seu índice?


NADIA M HASEYAMA comentou:

AMEI!!!
TEXTO EXCELENTE, SIMPLES E DE FÁCIL ENTENDIMENTO,GOSTARIA DE MAIS INFORMAÇÕES DE COMO COMPRAR. COMO É VENDIDA AS AÇÕES?
DE INICIO QUANTO SE PODE COMPRAR? AONDE DEVE-SE IR? ENFIM INFORMAÇÕES DESSE TIPO.OBRIGADA.


Maurício comentou:

Ccomo estou iniciando ,achei este teste excelente,muito bem escurito e ensinando ao meu ver alguns veteranos de bolsa.
Parabens


Dr Especulador comentou:

O mercado de acões é o investimento mais perigoso que existe???
sim!!!
Mas se vc souber fazer escolhas ousadas vc pode ficar rico
lembre se a sorte sorri apenas para a pessoa ousada que nao tenha medo de arriscar!!!
boa sorte a todos!!!




Dr Especulador comentou:

resposta ao comentario da NADIA M HASEYAMA
NADIA olhei seu comentario e vi q vc quer saber como é feita a compra e a venda de acoes na bolsa
Bom para vc começar a investir vc tem q abrir uma conta em uma corretora ou banco que que seja associada a bovespa
A corretora ou banco de sua escolha ira fornecer para vc o home broker
home broker e um programa para vc fazer o envio de ordens de compra ou venda de acoes
O minimo que vc pode comprar é de 100 lotes de acoes e o maximo esta por sua conta=)
Espero ter ajudado!!!


SR. NOVATO comentou:

Qual o melhor ramo para se investir em ações?
tem pessoas que dizeM ser o ramo da construção civil, outras ramo energético, cosméticos, petróleo... Então fico na dúvida! Ou deveremos fazer um investimento diversificado, exemplo, para cada ramo invisto um percentual do meu capital?
Ainda fico um pouco inseguro na hora de estudar o gráfico, analisando os CANDLLES


Eduardo comentou:

Gostaria de saber o seguinte, : estou com uma ação em mãos e o grafico está no pico de valorização da ação, O QUE FAZER ? seja ganancioso e espera uma maior alta, ate porque o valor da ação e peqena 4,88 mas meu investimento nela foi razoavel, e hoje ela tá +5,87% e melhor vender ? eis a questão !?


 
Publicidade

Para apreciação de alguns e, talvez, irritação de outros, os gráficos e plataformas de operação são instrumentos valiosos para se acompanhar os mercados financeiros. Não consigo me afastar desses instrumentos...

A frase de Charles Dow, “a tendência é tua amiga”, definiu para sempre como se deve operar num mercado de movimentos aleatórios ou incertos. Infelizmente, muitas vezes, a tendência do mercado contraria nosso desejo de operar a qualquer momento, como se o mercado estivesse sempre favorável a nossa pretensão de comprar ou de vender...

Com o novo cenário econômico do Brasil, cada vez mais os juros estão mais baixos, e consequentemente os investimentos de renda fixa também. Com isso as perguntas que todo investidor se faz são: Ainda vale a pena investir em renda fixa? Onde obter melhor ganho? É hora de investir em ações na bolsa? ...veja como ficam seus investimentos no cenário atual.

Orientações de como calcular o imposto de renda para operações em bolsas. Isenções, forma de cálculo, o que é considerado ganho, o que pode ser abatido...

A Bovespa divulga em seu site a volatilidade histórica dos ativos. Entretanto, para facilitar, criamos esta tabela onde é apresentada a volatilidade histórica dos principais ativos, de forma a permitir as comparações entre respectivos períodos e ativos.