A Importância da Tendência na Compra de Ações Análise Técnica Investimentos: análise técnica, como investir na bolsa de valores (Bovespa)

A Importância da Tendência na Compra de Ações

Professor Metafix

A Importância da Tendência na Compra de Ações - Analisando os Gráficos

Escrevo esta nota simples com bastante satisfação. Pela primeira vez estou atendendo ao pedido de um leitor para explicar como operar sem perder no mercado de ações. Tenho reiterado várias vezes que a coisa mais importante para quem opera no mercado financeiro, ou até mesmo comprando e vendendo qualquer ativo ou mercadoria, é entender a direção dos preços. Infelizmente, isso não é assim tão fácil porque os preços são criaturas irriquietas e mudam de direção sem avisar. As variações de curto prazo confundem o operador e contrariam a tendência geral dos preços.

Num primeiro instante deve-se ignorar as oscilações passageiras fixando-se na direção geral dos preços. Uma forma para se detectar a direção dos preços é observar se os topos e os fundos são ascendentes ou se são descendentes; a outra é utilizar uma média móvel para elimina os ruídos dos movimentos pequenos. Preços acima da média móvel indicam tendência de alta e se estiverem abaixo, mostram tendência de baixa.

Destarte, os preços viajam pra cima e pra baixo criando tendências de alta e de baixa, e dentro delas se formam movimentos menores que, quando desdobrados também apresentam movimentos de subidas e descidas. Isto confunde bastante os leitores porque pode acontecer que os preços estejam subindo num tempo gráfico, e caindo noutro, como aludi acima. Uma retração grande dentro de um movimento de baixa no diário quando vista em 60 minutos pode se transforma numa tendência de queda e contrariar a tendência principal.

Entretanto, o pior problema é a relutância dos operadores para obedecer a tendência. Alguns operam sem nem se preocupar com isso e quebram a cara, pois o mercado não tem pena dos teimosos ou de quem erra por falta de atenção às regras fundamentais. O operador tem que obedecer a tendência e aprender a operar com as retrações que ocorrem dentro dela. As retrações são movimentos contrários ou recuos que temporariamente invalidam a direção da tendência principal mas ajudam aumentar os lucros quando bem aproveitadas.

Uma tendência pode ser definida em qualquer período gráfico desde que o interessado especifique o tempo a que se refere. Devemos lembrar de que o tempo tem significados diferentes para diferentes pessoas. Por exemplo, se alguém vive de day trading, a tendência semanal pouco interessa, por outro lado para quem investe esperando receber algum dividendo no futuro, esse horizonte é muito importante.

Para efeito dessa mensagem ou lição, vou trabalhar com o conceito de tendência diária por ser a mais discutida na literatura e utilizada em análise gráfica. Todos os dias, bem antes de iniciar o pregão, ficamos ansiosos para saber se o dia vai ser de alta ou de baixa. Quem está comprado deseja que os preços subam, mas quem está esperando para comprar deseja que eles caiam. Para aqueles que compram e vendem todos os dias, a combinação de uma retração no início do dia, e de uma subida depois, seria ideal porque é nessa gangorra que se ganha dinheiro no curto prazo. Entretanto, quem já tentou operar assim, sabe que é difícil de pegar essa configuração!

É importante relembra também que não faz sentido comprar algo que esteja caindo ou vender o que está subindo, mas lamentavelmente é o que mais acontece no mercado de ações. Aparentemente, os investidores inexperientes imaginam que investir é uma decisão atemporal e que não há necessidade de usar alguma técnica para operar e respeitar cada período específico. Estes compram baseando-se em dicas de terceiros ou em intuições passageiras sem examinar a direção dos preços.

É necessário entender e se conscientizar de que em todo tipo de negócio, o tempo ou o “timing” da decisão é muito importante. O timing pode separar os ganhadores dos perdedores. Até o preço de bananas sobe e desce no mesmo dia ou dentro da mesma semana. Os comerciantes tentam antecipar essas mudanças comprando na baixa para revender na alta. Eles sabem que os negócios são dinâmicos e os preços mudam porque a oferta e a procura oscilam a todo instante sem avisar a ninguém.

Independente do tempo escolhido para representar a tendência, podemos errar muito menos e acertar muito mais se definimos um período gráfico como tendência para nos orientar; e depois escolher um tempo gráfico menor para conferir os pontos de entradas e saídas no mercado. Isto é, a tendência vai nos dizer se devemos comprar ou não; e as retrações apontam quando devemos comprar e quando devemos vender.

Para saber se devemos comprar, basta olhar a movimentação diária dos preços com ajuda de uma média móvel. Eu prefiro a média de 40, mas o leitor pode escolher outra nessa proximidade, como 30, 50 ou 60 barras. A coisa é simples: se os preços estão mudando acima da média móvel, temos um a tendência de alta. Isto indica que devemos comprar. Essa lição é clara e poderosa, não temos que acrescentar nenhuma outra condição, só isso e nada mais – se está subindo só devemos comprar. Entretanto, ela não quer dizer que devemos comprar imediatamente ou a qualquer momento. É necessário esperar e comprovar a existência de uma retração antes de comprar. Isso pode ser feito para melhorar a precisão num tempo gráfico menor.

Por outro lado, se a tendência diz que devemos comprar, fica claro também que não devemos vender ou sair do mercado se já estamos comprados. Este ponto é fundamental para quem opera tanto no curto, como no longo prazo. Quero dizer que se você fez uma operação de day trading e os preços continuam subindo fique nela até aparecer um sinal de reversão.

Destarte, a decisão deve ser tomada em duas etapas: primeiro a decisão de comprar; segundo, esperar por uma retração até atingir um fundo ou suporte para comprar. Isto é, o quando segue o quê como opção distinta. É ai que reside a sabedoria dos animais. As serpentes, por exemplo, avaliam onde estão os melhores lugares para se alimentar, escondem-se e depois esperam pacientemente pela oportunidade para pegar a presa. O investidor experiente sabe que não deve perder uma tendência de alta, mas para aproveitá-la, ele espera pacientemente por uma retração nos preços. Quem opera assim não perde dinheiro investindo em ações, apenas sente reveses temporários porque os preços se movem em ziguezagues.

A melhor forma para aproveitar as oportunidades é vigiar os movimentos com velas diárias ou de uma hora e com ajuda de um oscilador. O oscilador ajuda identificar os topos (resistências) e os fundos (suportes) dos movimentos.

Pois bem, como indiquei no artigo anterior, o estocástico é um bom indicador, porque ajuda identificar o começo (topo) e o fim (fundo) das retrações em tendências de alta, mas não garante continuidade às retrações. Ele funciona bem em quase todos os tempos gráficos, sendo bem mais confiável nos períodos mais longos. Quando não tiver certeza se os preços já chegaram no fundo de uma retração, mude pra um tempo gráfico menor e certifique-se de que os preços voltaram a subir. O gráfico abaixo representa a ação da Vale e exemplifica bem o que desejamos ilustrar.

Cada fundo no estocástico indica uma oportunidade de compra, e cada topo uma chance de venda. Pode-se operar em qualquer tempo gráfico desde que respeitamos a direção dos preços em termos tendenciais. Fica a critério de cada investidor desdobrar o gráfico diário em tempos menores para poder operar com mais frequência e sentir mais de perto a mudança de preço. Mas quando fizer isso, opere respeitando sempre a direção dos movimentos maiores.

Já expliquei no artigo anterior que o movimento em 60 minutos é de um bom tamanho para guiar as jogadas mais curtas. Neste caso, guia-se pelo tempo de um hora, e usa-se um tempo menor para conferir o fundo das retrações. Isto é, podemos operar combinando tempos maiores com tempos menores! Por exemplo, podemos usar o diário como guia e o de 60 minutos para conferir o fundo da retração; ou usar 60 minutos como guia e um menor, como o de 15 ou dez minutos para verificar o fundo do movimento menor. Esse sistema é muito lógico e não engana o operador desde que ele obedeça a direção dos preços com fidelidade nos dois períodos – o tempo maior como guia ou tendência e menor como indicador de fundo das retrações.

Como indiquei antes, os osciladores ajudam a determinar as entradas e as saídas de cada jogada porque ajuda o olho humano a descobrir os suportes e as resistências. Escolhi um estocástico lento, mas os parâmetros podem ser modificados para ignorar as retrações muito pequenas. Isso fica a critério do analista, pois alguns só compram quando as retrações são bem fortes. Recomendo também o macd ou uma combinação desse com o estocástico. Alguns programas gráficos permitem que se coloquem os dois, sobrepostos, numa mesma janela. O operador pode usar dois estocásticos também, um longo e um curto. Lembre-se de que tudo que ajude a encontrar as boas entradas é melhor do que nada.

Finalmente, repetindo a lição, quem determina se devemos comprar é a tendência, ou o movimento maior. Quem indica quando se deve comprar é a retração da tendência. Obedecendo a tendência e se valendo de um indicador para apontar o fundo das retrações, o operador não tem porque se preocupar com prejuízos.

Boa sorte.
Professor Metafix

Seu nome:
Seu E-mail:
Nome do seu amigo:
E-mail do seu amigo:
Sua mensagem (opcional):
Nome: Seu Email: (não será Publicado)
Site: (opcional)
Nofiticar por e-mail novos comentários neste tópico.

rosilfe comentou:

Caro professor Metafix, parabens pela sua didatica e sua eficiencia no ensinamento. Realmente aprendemos quando lemos e interpretamos suas explicacoes. Parabens! Ronaldo
(as 16:59h - 14/04 QUA)


 
Publicidade

Sabemos que o problema da maioria das economias é o nível de endividamento. Enquanto esse problema não for equacionado, as economias não crescerão num ritmo suficiente para criar novos empregos. Até agora a China era considerada uma ilha de exceção. Entretanto, algumas notícias revelam um quadro um pouco preocupante. Os jornais noticiam uma crise de crédito...

Relutamos na hora de escolher uma ação porque existe um conflito mental e natural entre o útil (necessidade) e o agradável (o prazer). O cerne da solução é conciliar os desejos emocionais de tal modo que não contrariem a racionalidade financeira...

Quem nunca se enganou lendo gráficos de ações ou de outros ativos financeiros, levante as mãos! Enganamo-nos pelo desejo de encurtar caminho. Esse comportamento faz parte da luta inexorável para melhorar a vida o mais rápido possível, mas cometemos erros. A tentativa dos grafistas para inventar padrões gráficos em busca de significados diferentes faz parte dessa...

Somos fascinado pelo o sucesso. A força psicológica da vitória é tão grande que exageramos os ganhos e escondemos as perdas nas bolsa de valores e em outros afazeres. Embora a realidade numérica seja outra, pois em todos campos de atividades existem mais perdedores do que ganhadores; mesmo assim, não gostamos de lembrar das perdas...

Esta ferramenta permite escolher as melhores opções para as operações de venda coberta (lançamento coberto - financiamento).